DESTAQUES

'Monstros' debaixo da cama

Patricia Gebrim 08/06/2018 AUTOCONHECIMENTO
'Monstros' debaixo da cama
Fonte: imagem Pixabay
Uma profunda reflexão sobre o medo de viver que carregamos dentro de nós

Por Patrícia Gebrim  

Muitas vezes somos visitados pelo medo, não há como evitar. Medo da vida, da morte, do desconhecido, da falta de água, da violência, do caos, do silêncio, de baratas, do inesperado, de sermos abandonados, de andar de avião, de assalto, de envelhecer, do futuro. Medo de não saber que direção dar à nossa vida. Medo de um dia acordar e não saber quem somos. Medo de não existir, de nunca ter sido, de jamais virmos a ser.

Às vezes o medo nos vence e, como todos os seres feitos de humanidade, sofremos e transformamos a vida em uma correnteza cheia de dores, agindo como fantasmas, arrastando por aí nossas correntes mal-assombradas. Não vou dizer que seja bom, mas vivenciar esses momentos nos torna humanos, e quando nos sentimos tão assustados quanto o resto da humanidade, nos tornamos capazes de sentir compaixão. Mas em outras vezes, nos momentos mais lindos e mágicos da vida, conseguimos a sanidade necessária para lembrar de que tudo o que vivemos é uma espécie de teatro. Olhamos para o medo e escolhemos não lhe dar poder.

Nesses dias, os melhores, os mais sábios; somos capazes de pairar sobre os dramas cotidianos e continuar sorrindo com a leveza da criança que brinca de ser outro alguém. Nesses dias, não importa o que esteja acontecendo ao nosso redor, respiramos fundo, olhamos para dentro e nos lembramos que não existe nada nem ninguém que possa nos impedir de confiar. Colocamos o medo em nosso colo e o abraçamos apertado. Saiba que é assim que curamos um medo. Derramando sobre ele todo o nosso amor e cantando uma linda canção de ninar.

Quando criança eu costumava fechar os olhos ao assistir cenas que me assustavam, mas hoje sei que precisamos ser corajosos o bastante para visitar até mesmo o inferno de olhos bem abertos.

Só o corajoso, capaz de sentir na pele toda a intensidade do mais assustador dos sentimentos, conhecerá a sutileza alada da alegria. Isso se chama confiança.

Aos medrosos, que fecham os olhos à própria sombra e fogem dos próprios sentimentos, resta essa mortalha triste, essa caricatura, a morte disfarçada de vida.
 

Extraído do livro de Patrícia Gebrim “Deixe a Selva para os leões – Inspirações para bem viver nos dias de hoje” - para ler capítulo anterior - clique aqui.




TAGS :

    como, lidar, com, nossos, medos

Patricia Gebrim

É Psicóloga Clínica, atua numa abordagem transpessoal. Seu trabalho é direcionado a favorecer o autoconhecimento e a transformação das crenças limitadoras que nos mantêm aprisionados a padrões repetitivos de escolhas. É escritora, publicou 'Gente que mora dentro da gente' e o best-seller 'Palavra de Criança' pela editora Pensamento



ENQUETE

Você toparia ter um relacionamento de “amizade com benefícios”? Tratam-se de amigos que se tornam parceiros sexuais sem deixar isso interferir na amizade; o termo vem da expressão 'friends with benefits'.





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.