DESTAQUES

O que você conhece sobre comportamento passivo, assertivo e agressivo?

Regina Wielenska 20/09/2018 PSICOLOGIA
O que você conhece sobre comportamento passivo, assertivo e agressivo?
Fonte: imagem Pixabay
Há comportamentos passivos de pessoas que engolem caladas eventuais atos insensíveis, grosseiros ou injustos

Por Regina Wielenska

Conviver com outras pessoas é, potencialmente, rica fonte de prazer e também de problemas. Um dos problemas frequentes decorre da inabilidade de alguém para expressar suas necessidades e discordar das opiniões de terceiros. As eleições presidenciais estão colocando o País em polvorosa e vejo a todo momento conflitos crescerem até entre pessoas que real ou supostamente seriam amigas.

Há os comportamentos passivos das pessoas que engolem caladas eventuais atos insensíveis, grosseiros ou injustos. Sofrem com isso, mas temem pelo pior, e se calam, não sabendo bem como agir. O risco subjacente é a raiva ou a dor chegarem a limites insuportáveis e, de uma hora para outra, a pessoa explode com alguém, de modo desproporcional, em algum grau lesivo a todos os envolvidos. Só entenderá a explosão, de todo modo injustificável em sua intensa desproporcionalidade, quem souber da história de insatisfações e mágoas acumuladas. Mas aí já é tarde, e um conserto, se houver, deixará cicatrizes no relacionamento.

Há padres de comportamento agressivo. Por exemplo, a pessoa entende como ataque qualquer opinião diferente da sua, e revida sem dó e piedade. Nesse caso, o ataque torna-se um padrão habitual do indivíduo, geralmente irritadiço quando contrariado ou intolerante ao que divergir de suas expectativas. O diálogo não é parte da vida dessa pessoa.

Na próxima quinzena comentarei sobre o comportamento assertivo, a chave para convivências harmoniosas, plenas de respeito e delicada sinceridade. Muita calma até lá, você me promete?

 




TAGS :

    comportamento, passivo, assertivo, discussão

Regina Wielenska

É psicoterapeuta na abordagem analítico-comportamental na cidade de São Paulo. Graduada em Psicologia pela PUC-SP em 1981, é Mestre e Doutora em Psicologia Experimental pela IP-USP. Atua como terapeuta e supervisora clínica, é também professora-convidada em cursos de Especialização e Aprimoramento. Publicou dezenas de artigos científicos, e de divulgação científica, além de ser coautora de livros infanto-juvenis.



ENQUETE

Qual candidato à Presidência terá mais condições de melhorar o índice da FIB (Felicidade Interna Bruta) e o do IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.