DESTAQUES

Cerveja de happy hour ou alcoolismo?

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

por Danilo Baltieri

"Sou bancário e possuo uma vida muito desgastante, já cheguei no meu último emprego a ficar 12 anos sem férias. Não estou me desculpando pontuando inicialmente esse detalhe, mas a realidade é que já perfaz uns 15 anos que venho a consumir cerveja todos os dias. Meu consumo de cerveja não é abusivo, uma média de duas cervejas por dia, em encontro com amigos mais idosos. De antemão, me sinto dependente deste hábito, detesto realizar exames médicos, fico inconformado quando não posso encerrar meu dia de trabalho sem prosear degustando minhas cervejas. Sou casado, minha mulher já me conheceu assim, não esquenta muito com relação a este meu prejudicial hábito, ja que dificilmente perco o controle da situação, ou seja, jamais qualquer amigo ou familiar me presenciou bêbado e em situação deplorável socialmente. A questão é: posso me considerar alcoólatra? Nos finais de semana exagero mais, posso chegar a cinco cervejas diárias entre a sexta-feira e o domingo. Mas como relatado anteriormente, sem baixarias ou excessos de cunho social, já que evito dirigir, perder noite em baladas e em bebedeiras. Mas e aí? O que faço? Minha maior distração de uma vida corrida é infelizmente sentar numa mesa de bar com minha confraria de idosos amigos. O que fazer? Ciente que detesto academia e outras atividades, incluindo esportes, televisão, cursos não ligados à minha área... Ou seja, o que acaba me trazendo um preenchimento de tempo são minhas cervejas de final de dia. Não sei o que fazer... Abraços 1000!"

Resposta: O beber chamado de "baixo risco" tem sido definido por algumas organizações de saúde como aquele que se dá quando o indivíduo saudável do sexo masculino ingere, no máximo, três unidades de álcool etílico no dia, ou mesmo até 21 unidades na semana. Para mulheres saudáveis, a quantidade corresponde a duas unidades de álcool no dia, ou, no máximo, até 14 unidades na semana. Esta diferença entre homens e mulheres se deve, principalmente, a maior proporção de gordura corporal nas mulheres. Uma unidade corresponde a cerca de 12 gramas de etanol. Para dar um exemplo, uma lata de cerveja (355 ml) contém aproximadamente 1,5 unidade de etanol (dependendo da concentração de etanol da cerveja específica).

Apesar da definição acima, o consumo de qualquer quantidade de bebida alcoólica pode ser prejudicial, principalmente se ocorre em pessoas com problemas físicos ou psiquiátricos que não poderiam estar bebendo. Outrossim, muitas medicações não devem ser tomadas na vigência do consumo de etanol. É importante notar que a definição acima, baseada em quantidade de álcool etílico, também não leva em consideração as suscetibilidades individuais.

Beber arriscado

Durante estudos científicos, é comum a definição do beber arriscado como aquele em que um homem faz uso de 294 gramas de álcool por semana ou mais, ou em que uma mulher faz uso de 196 gramas de álcool por semana ou mais. 294 gramas de álcool equivaleria aproximadamente a 21 latas de cerveja com 5% de álcool ou 905 ml de algum destilado com 50% de álcool e para as mulheres 14 latas de cerveja e 603 ml de destilado.

Bebedor de baixo risco: alerta e sinais

Dito isso, é importante considerar que o bebedor de "baixo risco" deve estar alerta a sinais que podem sugerir o cruzamento da linha entre o beber de "baixo risco" e o abuso de álcool.

Abaixo, cito alguns destes sinais:

a) Ir ao trabalho após beber ou mesmo beber durante o expediente;
b) Dirigir após beber;
c) Fazer algo que sem estar sob a influência do álcool não ocorreria;
d) Lesar-se fisicamente quando bebe;
e) Beber para reduzir a ansiedade, tristeza;
f) Ingerir sofregamente a bebida;
g) Mentir sobre ou esconder os hábitos do consumo de álcool de amigos e familiares;
h) Sentir-se irritado, ansioso, quando o consumo de bebida não se realizou;
i) Ter problemas sociais, familiares, financeiros devido ao consumo da bebida;
j) Percebe que precisa beber mais para se sentir bem;
k) Mais frequentes episódios de intoxicação.

Você menciona que não aprecia academia, nem tampouco atividades de lazer outra que o consumo de bebidas com seus amigos. Também, você menciona que não aprecia realizar exames médicos.

De qualquer forma, você precisa rever seus hábitos de saúde e de atividades sociais. Se você está fazendo uso crônico de bebidas alcoólicas, é fundamental que realize alguns exames para investigar funções de alguns órgãos-chave, como o fígado. Procure um médico e converse com ele a respeito de suas preocupações. Ele poderá avaliar você e solicitar alguns exames.

A sua preocupação é bastante pertinente. Demonstra que você reconhece que podem existir algumas armadilhas no seu comportamento.

Atenção!

Este texto e esta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um médico e não se caracterizam como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.