DESTAQUES

Independente da cor, consumo de pimenta traz vários benefícios à saúde

Jocelem Salgado 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

por Jocelem Salgado

A pimenta do reino (Piper nigrum. L) é originaria das áreas costais da Índia, porém, seu cultivo se estende a outras áreas tropicais e subtropicais do globo.

Segundo dados da FAO o Brasil é o quarto maior produtor de pimenta do reino, atrás somente da Índia, Indonésia e Vietnã. O gênero Piper é constituído por cerca de duas mil espécies, sendo muitas delas comumente empregadas no mundo como especiarias, aditivos alimentares e condimentos. Adicionalmente, são considerados importantes ingredientes medicinais, principalmente nos países asiáticos.

As pimentas branca, verde e preta são os principais tipos de pimenta do reino existentes nos supermercados. Todos esses grãos de pimenta são procedentes da mesma espécie P. nigrum, porém distintos segundo período de colheita e processamento empregado. Além destes três tipos de pimenta do reino, existe um quarto tipo, porém de comercialização mais rara. Devido à sua coloração avermelhada, o fruto é muitas vezes confundido com a pimenta rosa. No entanto, fique atenta, a pimenta do rosa, Schinus terebinthifolius, é fruto da Aroeira.

A pimenta preta, também conhecida como "king of spices" (rainha das especiarias) é a especiaria mais importante e comercializada do mundo. Seu aroma e sabor acre, pungente e picante é muito apreciado, tornando-a ingrediente de diversas preparações culinárias, perfumaria, formulações medicinais e até mesmo para cuidados estéticos.

Os grãos de pimenta do reino são ricos em vitamina A e K, contém fibras dietéticas, betacaroteno (vitamina A), cálcio, magnésio, potássio, manganês e fósforo. A pimenta ainda é rica em antioxidantes. Além de conferir o sabor pungente às pimentas do reino a piperina também presente no gengibre (Zingiber officinale), é o principal alcaloide e composto bioativo presente nos grãos de pimenta do reino. Após seu descobrimento, numerosos estudos têm focado em investigar suas propriedades farmacológicas. E desde então, a pimenta do reino, ou seu princípio ativo, tem demonstrado experimentalmente, em diversas pesquisas independentes, conter múltiplos efeitos fisiológicos de interesse à saúde humana.

Na medicina tradicional a pimenta do reino é utilizada para desordens digestivas, problemas gástricos, diarreia e indigestão. Estudos têm demonstrado, que de fato, o consumo de pimenta do reino está associado ao estimulo de enzimas digestivas da cavidade oral, pâncreas, fígado e intestino, bem como a secreção de ácidos biliares. A ingestão deste condimento aumenta o tempo de trânsito intestinal e por consequência a absorção de aminoácidos. Propriedades antidiarreicas também foram observadas.

Diversos trabalhos têm também apontado que a pimenta do reino é capaz de aumentar a disponibilidade de alguns medicamentos e de nutrientes como a vitamina A e o selênio. Cita-se ainda atividade antimicrobiana, benefícios a desordens respiratórias como bronquite e asma, ação termogênica, anti-inflamatória, antipirética (controla febre), analgésica, antitumoral, anticancerígena, hepatoprotetiva (protege o fígado), dentre outras.

Mais recentemente a pimenta do reino vem chamando atenção por suas propriedades sobre a degeneração neuronal. Trabalhos têm demonstrado que a piperina principal alcaloide encontrado na pimenta do reino é capaz de aprimorar as funções cognitivas, reduzir o estresse oxidativo e os processos inflamatórios associados à doença de Alzheimer e Parkinson.

Poucos trabalhos têm discutido sobre qual tipo de pimenta do reino, branca, verde ou preta é a mais indicada para cada benefício à saúde. Algumas pesquisas apontaram que a pimenta verde é a que detém maiores teores de piperina. No entanto, uma pesquisa realizada na ESALQ sobre minha orientação, ao avaliar o potencial das pimentas do reino (preta, verde e branca) concluiu que a pimenta preta é a mais indicada em relação à doença de Alzheimer. Isso demonstra que nem sempre a piperina é o único fator envolvido, sendo necessários mais estudos para determinar qual pimenta verde, branca e preta é a mais indicada.

Com tantos benefícios e opções de pimenta do reino para condimentar as refeições do dia a dia, fica fácil agregar mais sabor, aroma e saúde às nossas vidas. Consuma pimenta do reino seja ela verde, branca, preta ou mistura entre elas, dando sempre preferência ao frescor de moê-las previamente ao consumo.




Jocelem Salgado

Profa. Titular de Vida Saudável da ESALQ/USP/Campus Piracicaba. Autora dos livros: "Previna Doenças. Faça do Alimento o seu Medicamento" e "Pharmácia de Alimentos. Recomendações para Prevenir e Controlar Doenças", editora Madras



ENQUETE

Qual é o verdadeiro mês das noivas?








VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.