DESTAQUES

Amor ao extremo e cegueira emocional fomentam terrorismo individual

Tatiana Ades 01/01/2016 PSICOLOGIA
O amor patológico é fatal, extremista e necessita do fator obsessão

por Tatiana Ades

Em consequência do atentado terrorista sofrido em 7 de janeiro, que deixou 12 mortos, o jornal satírico francês Charlie Hebdo, célebre por suas charges ácidas, agora mundialmente superconhecido, trouxe em sua primeira capa após o ataque, uma caricatura de Maomé segurando uma placa que diz "Eu sou Charlie".

Esse é o assunto que ilustra capas de revistas e repercute no noticiário e na mídia.

Como psicanalista comentarei os aspectos intrigantes do quadro todo e o quão preocupante é esse incidente.

Falo sempre de amor patológico, e o defino como fatal, pois ele é extremista, ele necessita do fator obsessão e cegueira emocional; é praticamente um terrorismo invisível acontecendo dentro de uma pessoa que está prestes a explodir a outra e se explodir junto, pois nada mais justificaria estar viva(o) sem o outro.
Tout est pardonné: tudo está perdoado

As religiões fanáticas (sejam quais forem) seguem essa mesma linha. Enfim, que amor é esse por um poder superior - que me permite matar, esquartejar e até morrer em nome DELE?

Que tipo de Deus é esse que pune e maltrata, castiga e massacra? É esse mesmo Deus que massacra algumas almas que estão presas a relacionamentos de codependência afetiva, onde tudo vale por amor: matar, roubar... como a própria canção de Cazuza: Exagerado: e por você eu faço tudo, vou mendigar, roubar matar...

Estamos vivendo um mundo emocionalmente terrorista, mas apenas percebemos isso de forma superficial, ouvimos as notícias e não nos tocamos sobre a realidade emocional e cultural por trás de todo esse caos.

Essa * sociedade líquida dá vazão ao sentimento de 8 ou 80: ou eu tenho o mundo ou não tenho nada, ou eu mato ou morro. A competição profissional, amorosa e de diversas questões do dia a dia são lidadas com vigilância extrema; é ganhar ou perder, nadar ou sufocar.

Espero que a paz volte a prevalecer em todos os corações fanáticos, pois o fanatismo só pode ferir, sangrar e deixar uma história de luto a ser contada.

Sociedade líquida: quando membros de uma sociedade, numa atitude individualista, têm um terrível desprezo pelo comportamento do outro, quando esse não coaduna com seus princípios particulares.




Tatiana Ades

É psicanalista e escritora e teatróloga. Em seus livros, o foco de estudo é o comportamento humano e o amor patológico. Tem em seu currículo várias peças escritas e encenadas nos teatros de São Paulo, além de ter concorrido ao prêmio Shell de melhor texto teatral com Os Viúvos – Teatro Ruth Escobar (2003). Como escritora, em 1998, ganhou um concurso com o conto O silêncio da raposa. Eles são o resultado de uma pesquisa de três anos: Hades – Homens que amam demais e As escravas de Eros.



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.