DESTAQUES

Fumo narguilé. Posso ficar dependente?

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Nível de nicotina do narguilé é mais elevado que o do cigarro

por Danilo Baltieri

Resposta: Narguilé é conhecido também como cachimbo d'água, water pipe, argileh, goza, hookah, shisha etc.

Parece ter sua origem na Índia e ser usado há mais de 400 anos. Recentemente, seu uso tem sido mais frequente entre jovens estudantes. É estimado que cerca de 38% dos jovens ingleses e entre 20 a 40% dos jovens americanos tenham já se engajado no uso de narguilé.

Em alguns países do universo árabe, o uso de tabaco através do narguilé ultrapassou a prevalência do uso de cigarros comuns.

Várias alterações agudas no padrão respiratório e na resposta imunológica do usuário têm sido observadas depois de uma única sessão de fumo. Aumento da pressão arterial, aumento dos níveis de monóxido de carbono no sangue, aumento da frequência cardíaca, diminuição dos eosinófilos (células do sistema imunológico) sanguíneos periféricos têm sido observados.

Também, existem casos relatados na literatura científica de intoxicação por monóxido de carbono após uma sessão de uso de narguilé.

Segundo *De Assis Viega (2008), a composição do tabaco usado no narguilé (foto) não é padronizada e o conteúdo de nicotina é estimado entre 2% e 4%, em comparação com 1-3% do tabaco usado para cigarros comuns. Também, o monóxido de carbono está presente em maior percentual na fumaça do narguilé do que na do cigarro, inclusive acrescido pela queima do carvão usado naquela modalidade.

Em uma análise da fumaça originária da corrente primária do narguilé, encontraram-se quantidades significativas de nicotina, alcatrão e metais pesados, além de arsênio, benzopireno, níquel, cobalto, berílio, cromo e chumbo em quantidades maiores do que na fumaça de cigarro. É importante ressaltar que, quando o fumante de narguilé faz o consumo, ele fica exposto a mais fumaça e por maior tempo do que os fumantes de um cigarro comum. A água usada no narguilé absorve pouco da nicotina (cerca de 5%).

Assim, levando em consideração os dados acima, o uso do narguilé faz com que os seus usuários e seus fumantes passivos sejam expostos aos mesmos riscos para as doenças causadas pelo fumo de cigarros, como câncer, doenças cardíacas, doenças respiratórias e efeitos deletérios durante a gravidez.

De fato, uma recente revisão sistemática (análise incluindo alguns estudos ao redor do mundo) revelou que o uso do narguilé está associado a vários tipos de câncer de pulmão e de esôfago, baixo peso no nascimento (nos casos do uso por mulheres gestantes), e doenças periodontais.

Também, o aspecto ritualístico do uso do narguilé, a necessidade por mais profunda inalação para gerar fumaça e para manter o mecanismo funcional, a produção de fumaça menos irritante do que os cigarros comuns, os ingredientes aromáticos relacionados, todos podem contribuir para proporcionar mais estímulos e reforçadores positivos para o uso, abuso e dependência do tabaco.

Abaixo, sugiro a leitura dos seguintes textos:

Chaouachi K (2011). More rigor needed in systematic reviews on "waterpipe" (hookah, narghile, shisha) smoking. Chest,139:1250-1251
De Assis Viegas, CA (2008). Formas não habituais de uso do tabaco. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 34: 1069-1073.
Nakkash RT, Khalil J, Afifi RA (2011).The rise in narghile (shisha, hookah) waterpipe tobacco smoking: A qualitative study of perceptions of smokers and non smokers. BMC public health, 11:315.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Suas relações amorosas duram?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.