DESTAQUES

Arte divinamente humana

Samanta Obadia 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Samanta Obadia

Eu fui assistir à Nabuco, uma excelente ópera no teatro municipal. Exímia obra de arte, do início ao fim, em cada uma de suas instâncias.

Vozes incrivelmente afinadas ao lado de músicos impecavelmente competentes. Uma orquestra de primeira linha.

Três horas de espetáculo e uma história clássica em pleno século XXI. Todos os espectadores aplaudiram vigorosamente ao final de cada ato, mas ainda que a admirassem, percebi durante a ópera, movimentos de impaciência e tédio.

Observar uma obra de arte ainda é um movimento particular para poucos, visto que toda obra carrega em si o seu tempo de preparo. E isso é o que a dignifica.

A honra e o respeito que adquirimos em nossas vidas provêm dos inúmeros passos que damos e da densidade que eles têm no peso que incidem sobre a Terra.

A composição de uma obra também carrega sua dignidade no tempo que levou para se constituir como um fim, no trabalho incondicional dos artistas que se doam, na maioria das vezes, sem retorno algum.

Observar uma obra sem essa consciência, a diminui. Por isso, contemplar a arte é um exercício paciente de quem cria olhos para vê-la. É preciso preparar o espírito e a sensibilidade para receber a ‘obra em si’, admirando-a em seu conjunto, estando nela.

Partilhar desta experiência estética é um movimento de estranha beleza, onde podemos vislumbrar nas vezes e nos sons dos instrumentos tocados, a energia sensível da natureza humana, que quando transcende, atinge de maneira magnífica o que há de divino em nós.




Samanta Obadia

Samanta Obadia é Escritora, Psicanalista e Filósofa com especialização em neurocognição. Palestrante dinâmica e inovadora, com ampla experiência em relacionamentos afetivos na clínica psicanalítica e em Orientação Educacional para jovens e familiares.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.