DESTAQUES

Novo ano: é preciso nutrir-se de otimismo e de emoções positivas

Lilian Graziano 30/01/2017 PSICOLOGIA
Novo ano: é preciso nutrir-se de otimismo e de emoções positivas
Fonte: imagem Pixabay
Fazer as mesmas coisas de um jeito diferente nos mantêm longevos

por Lilian Graziano

Quem nunca ouviu o clichê dos novos 365 dias como centenas de novas oportunidades para ser feliz, a cada ano que se inicia? Talvez seja a mais sincera constatação nesta época, carregada de simbolismos e desejos de renovação e redenção para que uma nova vida se empreenda como que saída do zero. O momento é de otimismo e emoções positivas, na crença de que cada dia é, sim, uma nova oportunidade de ser feliz, mas também de que se trata de mais uma chance de inovar, de fazer diferente aquilo que se repete da mesma forma todo ano, trazendo os mesmos (e talvez insatisfatórios) resultados.

Sorva cada gole desse otimismo e dessas emoções positivas, festejando, contemplando o momento e imbua-se também desse espírito de mudança para construir a sua lista de metas para 2017. Pergunte-se, leitor(a), qual será a boa nova deste novo ano? O que você fará diferente e que contribuirá para seu maior bem-estar e para mudar um desempenho que considere inadequado?

Alguns ingredientes para responder a essa questão são básicos: analisar, refletir, fazer escolhas… Lembrar que pequenos ou grandes fracassos não devem ser um martírio para toda a vida. Errou? Faça o que for possível, para, desta vez, acertar. Não é para se martirizar e, sim, para acreditar, de fato, na mudança. Agir diferente para mudar aquilo que se repete como má escolha ou ação ineficaz, ano após ano, é quase tão importante quanto implementar um hábito novo, ainda que, muitas vezes, seja bem mais difícil.

Vale dizer que fazer as mesmas coisas de um jeito diferente, é algo que nos mantém longevos, amplia nossa plasticidade cerebral além de aumentar nossas chances de sucesso, mesmo quando se trata de gestão de vida. A nossa resiliência (capacidade de resistir às intempéries da vida e encará-las como aprendizados) é preditora de nossa felicidade,  e é característica que se treina nas tentativas de solucionar velhas questões com novos planos. Com flexibilidade e criatividade, vencemos os desafios sem sucumbir a eles, acreditando que sempre pode haver uma nova solução que sirva perfeitamente à ocasião para transpor barreiras de todos os tipos.

Mudar de verdade

Para mudar de verdade, vale também lembrar que resolver problemas antigos é parte importante de nossas metas, mas não deve ser o único objetivo de nossas resoluções de ano novo. Há pessoas que têm grande habilidade em vencer inúmeros desafios na vida, porém, relatam um vazio imenso ao passar por ela sem descobrir seu propósito, sua essência – uma vida sem problemas não é necessariamente uma vida feliz. E quem não sabe do que é feito não utiliza seus recursos de modo pleno e está fadado a uma vida de mediocridade.

Inclua em seus planos um tempo para o autoconhecimento, para novos desafios e para a aplicação de seus melhores recursos e talentos nessas novas empreitadas. Essa é a verdadeira mudança, rumo à excelência e a uma vida mais plena e repleta de bem-estar.

Se você nunca fez isso e não pretende incluir tal missão em sua lista de resoluções, lembre-se: você pode estar inovando ao apresentar novas soluções para velhos problemas, mas algo permanecerá o mesmo. Você passará mais um ano sem realizar todo o seu potencial. Passará mais um ano a alguns passos de sua felicidade. Deixar certas coisas para depois também não seria um velho hábito que estaria cultivando, mais uma vez? Pare, avalie, faça escolhas. Acabe com velhas mazelas, mas crie também, para si, um novo universo, não de soluções, mas de realizações.




TAGS :

    emoções, positivas, otimismo, psicologia

Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Quem não tem cão caça com o “ex”, que está receptivo. Você concorda?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.