DESTAQUES

Quando sua dor vai passar?

Lilian Graziano 05/05/2017 PSICOLOGIA
Quando sua dor vai passar?
Fonte: imagem Pixabay
Não há mal que sempre dure, nem bem que sempre vença

por Lilian Graziano

No consultório psicológico, uma das principais angústias trazidas pelos pacientes se traduz na divisão do mundo entre certo e errado, bom e mau, como se uma escolha ou circunstância não pudesse ser ao mesmo tempo uma coisa e outra. Nos esquecemos de que tudo (mas tudo mesmo) pode ser analisado sob mais de um prisma, o que pode resultar em aprendizado relevante.

Até mesmo na clínica, a discussão do que é funcional ou disfuncional, no que diz respeito a certos comportamentos, é delicada. Pois uma resposta disfuncional a um evento ou trauma pode se reverter em florescimento humano, por exemplo. É quando o indivíduo, após essas ocorrências e um verdadeiro mergulho em suas emoções, experimenta um bem-estar ainda maior do que aquele que vivenciava antes do trauma. Uma resposta disfuncional passa a ser, na verdade, um processo adaptativo.

O(a) leitor(a) deve estar se perguntando por que é que alguns chegam nesse resultado e outros não? Claro que isso dependerá do nível de resiliência do indivíduo, de sua capacidade de ressignificar o evento e, muitas vezes, de um bom processo de psicoterapia. Contudo, diante desses acontecimentos, para ressignificá-los, é necessário, logo de início, entender que tudo é uma questão de perspectiva.

O pesquisador Richard Tedeschi, da Carolina do Norte, EUA, chamou de "crescimento pós-traumático" essas experiências em que o nível de bem-estar pós-trauma supera o da vida antes do evento. O trauma, aqui, pode ser entendido também como um "choque do ego", que, grosso modo, é quando nos deparamos com um "lado errado" ou "ruim" de nós mesmos, apontado por alguém ou revelado por alguma circunstância. Tem a ver, ainda, com ocorrências como violência, acidentes, doenças ou tragédias que nos acometem e nos mantêm suspensos por um tempo, a encarar a vida de forma fria e negativa, muitas vezes somatizando as emoções.

Para aqueles que experimentam o crescimento pós-trauma, isso é apenas uma fase, que não se pode evitar. Esse "clique" interno que nos anestesia e mesmo o momento quando tudo volta a ser como era antes (ou melhor) ocorrem como breves insights que modificam a forma como nos relacionamos com o mundo. Nesse segundo caso, porém, nada ocorre sem treino ou flexibilidade emocional e cognitiva.

Pode-se dizer que toda a psicoterapia atua na mudança de perspectiva. A Psicologia Positiva, todavia, confere ao processo um foco no florescimento humano e não apenas na redução dos sintomas à normalidade do indivíduo. Sua importância no pós-trauma, para que haja uma ressignificação desses eventos com foco em evolução pessoal, é inegável.

Seja como for, caro(a) leitor(a), quando houver dúvidas sobre quando a superação chegará, vale lembrar que a existência humana é mesmo assim, ambígua: "Não há mal que sempre dure, nem bem que sempre vença". O mundo não se torna ruim porque um trauma ocorreu - as oportunidades e coisas boas continuam lá, como antes eram evidentes pra você. A predominância do bom ou do ruim, por sua vez, é uma questão de escolha e percepção. E para o equilíbrio dessa balança, lembre-se, a Psicologia Positiva pode ser sua maior aliada.




TAGS :

    dor, tristeza, sofrimento, psicologia, positiva

Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Eleição presidencial no Brasil se transformou em plebiscito de Bolsonaro?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.