DESTAQUES

O treino da escuta

Lilian Graziano 01/06/2017 PSICOLOGIA
O treino da escuta
Fonte: imagem Pixabay
Comece agora a ouvir o seu próximo, com mais calma e sem apontamentos

por Lilian Graziano

Ser psicólogo ou coach demanda uma habilidade específica que é a de saber escutar o outro, sem julgamentos, com empatia, mas sem transferir para si a responsabilidade do outro em ressignificar seus problemas, conceitos, ideias, passado, presente ou futuro.

Antes que o leitor(a) se pergunte o que isso tem a ver com outras profissões – e com a sua, em particular – peço que faça o exercício de lembrar-se quantas ocasiões poderiam ser melhor vividas, aproveitadas, ou quanto aprendizado se daria, a partir da escuta ativa naquele momento em que acolhia um colega de trabalho, amigo ou parente.

Rapidamente o leitor(a) deve ter chegado à conclusão de que é melhor ouvir do que falar, em certas ocasiões. Mas talvez não tenha se dado conta que o benefício não é só o que se proporciona ao outro ou ao coletivo naquela hora – acolhimento, suporte, tempo, solução efetiva de conflitos – mas o que também absorvemos dessas situações para nós mesmos. Ter uma escuta ativa e empática com o próximo nos faz aprender pela cartilha do(s) outro(s) e também desenvolver a habilidade de escutarmos a nós mesmos. (E por que não acolher a si com o mesmo cuidado e paciência?)

Colocar-se nessa posição de ouvinte empático é abrir as portas para sentimentos que, além de nobres, nos colocam na rota do florescimento humano proposto por Martin Seligman, pai da Psicologia Positiva.  Falo, primeiro, da compaixão pelo outro. Depois, treinando a escuta ativa de si, não é difícil desenvolver a autocompaixão. Enquanto uma pesquisa norte-americana com mais de 5 mil voluntários verificou a relação entre uma vida mais feliz e uma maior autocompaixão, nós aqui, e em outras partes do mundo continuamos pouco empáticos conosco e com os outros. Mas, principalmente, porque tendemos mais a falar e julgar, do que a escutar compassivos e atentos os dilemas alheios (e em grande parte os nossos).

A escuta ativa do outro, que começa beneficiando relações e grupos, vai sendo absorvida por indivíduos e, assim, transformando pessoas, gerações e sociedades em seres e grupos mais felizes e tolerantes consigo e com o próximo, e por certo mais assertivos em resolver problemas que exijam soluções coletivas, o apaziguamento de diferenças e embates de ideias e posicionamentos.

Comece agora a ouvir o seu próximo. Com calma, sem apontamentos. Em lugar de direcioná-lo, questioná-lo, simplesmente o acolha. E faça o mesmo consigo. Pelo menos uma vez ao dia. Coloque seus sentimentos em um diário, que pode ser seu diário da escuta ativa e (auto) compaixão, se quiser. Siga por pelo menos um mês nesse exercício e compartilhe seus resultados. Tenho certeza de que haverá uma enorme transformação em sua vida!

*Para saber mais sobre (auto) compaixão, leia artigo a respeito na revista gratuita e digital de Psicologia Positiva Make it Positive (www.makeitpositivemag.com)




TAGS :

    saber, escutar, ouvir, paciência, acolhimento, autocompaixão

Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Eleição presidencial no Brasil se transformou em plebiscito de Bolsonaro?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.