DESTAQUES

E quando o paciente quer remédios?

Redação Vya Estelar 01/01/2016 PSICOLOGIA

por Luís César Ebraico

Um de meus pacientes, recém-saído de um surto de euforia descontrolada – a que, tecnicamente, chamamos de mania) – estava tomando sua dose diária de um determinado remédio durante a cada uma de suas sessões (cinco por semana). Certo dia, mal entrado em meu consultório, dirigiu-se a mim aos berros:

PACIENTE: — ME DÁ ESSA CARTELA DE REMÉDIOS!

LC: — Sem problema, por favor, sente-se!

PACIENTE (já sentado e evidentemente surpreso com minha resposta):

— Você vai me dar a cartela?

LC: — Claro! Com uma condição...

PACIENTE: — Qual?

LC: — Convença-me de que isso é uma boa idéia.

PACIENTE: — Blá, blá, blá, blá, blá, blá...

LC: — Não convenceu.

PACIENTE: — Blá, blá, blá, blá, blá, blá...

LC: — Não convenceu ainda. Mas não se preocupe, temos bastante tempo e, logo que você me houver convencido, passo-lhe a cartela.

PACIENTE: — Blá, blá, blá, blá, blá, blá...

LC: — Não convenceu ainda. Mas, se você não tiver pressa em receber a cartela, pode pensar um pouco, entre a sessão de hoje e a de amanhã, e – quem sabe? – encontra algo para me dizer que me convença. Se tive pressa, há outra alternativa.

PACIENTE: — Qual?

LC: — Mudar de psicólogo.

Parece que essa última alternativa não o satisfez muito, porque mudou de assunto. No fim da sessão, ao dispedir-se de mim, extravasou:

PACIENTE: — Obrigado por você não me haver dado a cartela.

Claro que ele sabia que ia fazer besteira. Estava apenas testando se eu tinha força suficiente para defendê-lo de sua própria loucura.




Redação Vya Estelar



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.