DESTAQUES

Dependência química: meu filho já foi internado 16 vezes. O que faço?

Danilo Baltieri 07/05/2018 SAÚDE E BEM-ESTAR
Dependência química: meu filho já foi internado 16 vezes. O que faço?
Fonte: imagem Pixabay
Na minha experiência clínica, casos assim são, infelizmente, comuns

Por Danilo Baltieri  

Depoimento de uma leitora:  

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



“Meu filho tem 33 anos e já passou por 16 internações. Hoje, ele está internado há 4 meses e virá passar uma semana em casa e deve retornar para a clinica... Eu trabalho. Como farei? Tranco-o em casa ou o deixo na rua mesmo? Dou a chave de casa para ele? Estou perdida e com medo.”

Resposta: Situação como esta descrita acima não é incomum entre diferentes famílias com diversas posições sociais. E, seguramente, tais situações podem estar tremendamente distantes de uma solução minimamente eficaz, mesmo quando um longo prazo é considerado.

Da mesma forma como para quaisquer doenças definidas nos manuais médicos, existem diferentes níveis de gravidade para, por exemplo, o alcoolismo ou transtornos mentais relacionados ao uso do álcool. Vemos portadores deste problema com sintomas leves, moderados e graves. Alguns autores têm aventado o termo “alcoolismo refratário ou mesmo resistente ao tratamento,” ou seja, aquele quadro médico que demonstra uma resposta clínica insatisfatória mesmo depois de aplicadas diferentes e prolongadas propostas de manejo médico e psicossocial.

Correntemente, existem de fato fórmulas bastante eficazes para o tratamento médico do alcoolismo, tanto contendo ferramentas farmacológicas eficazes quanto com propostas psicoterapêuticas focadas. Isso significa que o alcoolismo, apesar de ser uma doença médica crônica e incurável, tem sido tratada eficazmente. Todavia, não posso afirmar que todas as propostas atuais disponíveis são imediatamente eficazes para todos os portadores.

Existem aqueles portadores de graves problemas com o uso de álcool (e/ou de outras substâncias psicoativas) que não respondem ao tratamento médico e psicossocial convencional e, devido ao seu comportamento frequente/recorrente de consumir álcool, terminam por ser internados diversas vezes ao longo da vida. Às vezes, logo após uma internação, o portador recebe licença médica da clinica para retornar a casa e recomeça a beber (infelizmente, quase imediatamente depois da liberação da clínica).

Sempre quando uma determinada pessoa portadora de um quadro de dependência química não mostra eficaz resposta terapêutica aos manejos convencionais, o caso sob referência deve ser intensivamente revisto e novas propostas médicas e psicossociais feitas. Outrossim, o diagnóstico médico deve ser revisitado. Como já mencionado recorrentemente neste site em respostas prévias, a presença de outros problemas médicos e psicológicos entre portadores de um dependência química (também conhecida como diagnóstico dual) é uma realidade que precisa ser encarada.

Propostas para o manejo de portadores de problemas com o consumo de bebidas alcoólicas que não respondem aos tratamentos convencionais têm sido fortemente discutidas nos textos médicos.

Abaixo, vou considerar algumas assertivas:

a) o tratamento para o portador de problemas com o consumo de bebidas alcoólicas não deve ser apenas farmacológico. A associação com o tratamento psicossocial é vital ou imprescindível;

b) o portador do alcoolismo deve ser avaliado quanto à presença ou não de outros transtornos psiquiátricos coexistentes, como depressão, ansiedade, transtornos de personalidade, dentre muitos outros. Estando presente algum outro problema médico, o tratamento conjunto por equipe de especialistas impõe-se, ou seja, é imperativo;
c) os familiares devem acompanhar todos os passos do tratamento do seu ente querido. Internar e deixar para lá não é recomendável! Internar o dependente químico e só pensar “no caso” nas proximidades da liberação do paciente da clínica não é recomendável;

d) os familiares também precisam estar inseridos em processo terapêutico por tempo bastante prolongado, objetivando angariar habilidades afetivas, psicológicas e comportamentais para lidar com o ente familiar dependente químico nas situações as mais diversas. Outrossim, os terapeutas dos familiares saberão, a partir de dados concretos e da análise do caso e da situação, propor estratégias de manejo mesmo em situações de crise.

A pergunta formulada acima traz em seu bojo inúmeras variáveis: os familiares estão tratando-se? Como o manejo do portador está sendo desenvolvido ? Os familiares têm tido contato com o portador nas visitas na clínica? Durante tais visitas, existe um profissional habilitado para analisar o comportamento das partes e propor mudanças ou melhorias?

Na minha experiência clínica, casos assim são infelizmente comuns. Normalmente, os familiares acabam por não buscar auxílio especializado para si mesmos, uma vez que acreditam que é o DOENTE que precisa de tratamento e não eles mesmos...

No entanto, meus caros, a dependência química de um ente familiar compromete a saúde de todas as pessoas que com ele convivem. Sem o manejo familiar correto, prolongado, recheado de propostas adequadas e baseadas em evidência científica, a chance de dar errado é mais do que alta.

Boa sorte!

Atenção!
Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um médico psiquiatra e não se caracteriza como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



TAGS :

    dependência, química, internação, fracasso

Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Você busca a tranquilidade ao acordar?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.