DESTAQUES

Quem mora com um usuário de drogas pode tornar-se codependente; conheça os sintomas

Danilo Baltieri 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Danilo Baltieri

"Moro com um dependente de maconha. Ele usa todos os dias e às vezes usa crack e cocaína. Vivemos bem, mas fico muito incomodada com algumas situações: minha casa cheira maconha, não posso receber visitas sem marcar dia e hora. Estou bastante estressada com a situação, mas tenho medo de deixá-lo e ele piorar."

"O “codependente” deve procurar ajuda especializada com a finalidade de tratar-se, identificando os pensamentos disfuncionais que produzem comportamentos inadequados que prejudicam ambos os lados" Resposta: Muitas pessoas que convivem com dependentes químicos acabam por apresentar sintomas conhecidos como “codependência”

Sintomas de codependência:

- tentar controlar ou prever as ações do dependente;

- abandonar ou mesmo minimizar os próprios desejos, minimizar os comportamentos muitas vezes lesivos do dependente;

- deixar de respeitar seus próprios limites;

- tentar aparentar tranquilidade em momentos em que se sente mal e desrespeitada;

- evitar conflitos para manter as aparências;

- permitir ser desrespeitada em todo momento;

- acreditar que não tem outra opção além de conviver com a situação e com o dependente;

- assumir responsabilidades do dependente e pelo dependente.

Não é incomum que o indivíduo “codependente” tenha comportamentos e pensamentos contraditórios. Ou seja, ao mesmo tempo que não suporta o cheiro de maconha em casa, permite que o dependente fume na sala de visitas com as janelas abertas (porque é melhor fumar em casa do que fumar na rua; ou se ele fumar maconha em casa, não haverá brigas mais tarde).

Muitos outros comportamentos podem ser sumarizados abaixo.

Comportamentos do codependente:

- Dar dinheiro para o dependente comprar a droga, porque ele não tem dinheiro e pode passar mal sem a droga;

- Comprar a droga para o dependente, porque, se não o fizer, ela vai até a favela (ou algum outro lugar: “boca”) para comprar;

- Assumir responsabilidades pelo dependente, porque o mesmo está intoxicado ou mesmo de ressaca;

- Mentir ou desculpar-se para amigos, familiares ou chefe, objetivando esconder o problema;

- Usar a droga junto com o dependente, somente para ver como é o efeito e checar se é “tão bom mesmo”;

- Permitir que o dependente use drogas em alguns dias da semana, horas do dia, ou mesmo certas ocasiões;

- Emprestar dinheiro para pagar contas do dependente, incluindo aquelas obtidas por causa de drogas;

- Cancelar atividades sociais, de trabalho ou qualquer outra, porque o dependente estava intoxicado ou de ressaca;

- Ter sexo com o dependente quando realmente não queria, porque o mesmo estava intoxicado e assim o desejava;

- Tentar livrar o dependente de problemas que ele mesmo causou;

- Impor limites ao dependente, mas não cumprir com o proposto;

- Mentir para a polícia (ou outras autoridades) com o fim de salvaguardar o dependente;

- Limpar a casa (após o dependente vomitar ou quebrar móveis e utensílios) para evitar que outras pessoas vejam o problema;

- Pedir que outros familiares e amigos mantenham segredo sobre o problema com drogas.

Pensamentos do codependente

Pensamentos que nutrem esses comportamentos citados logo acima são fontes perigosas que precisam ser rigorosamente revistos pelos “codependentes”.

Alguns desses pensamentos são:

- É meu dever assumir as responsabilidades da casa nestes momentos de estresse;

- Eu sinto que eu devo cuidar do dependente, independentemente do que ele faz;

- Eu posso mudar o dependente quando eu quiser ou achar que devo;

- Eu sou uma das razões pela qual o dependente faz uso de drogas;

- Está tudo bem se o dependente usar drogas, desde que ele controle este uso;

- Às vezes, eu acho bom que o dependente faça uso de drogas em casa, porque ele fica mais afetuoso, além de expressar emoções positivas;

- Eu sinto falta de certos aspectos da vida, quando o dependente para de usar drogas;

- Eu preciso fazer o que for preciso para manter meu relacionamento com o dependente;

- Frequentemente, eu não digo tudo o que eu penso sobre o uso de drogas e álcool, porque tenho medo de que a minha sinceridade piore a situação;

- Frequentemente, eu nego, minimizo e ignoro a seriedade do problema com o uso de drogas e álcool;

- Eu tolero o consumo de drogas do dependente, desde que ele cumpra com as suas obrigações financeiras;

- Eu devo fazer tudo o que for possível para proteger o dependente das consequências sociais e legais do consumo de substâncias;

- O dependente não consegue recuperar-se sem a minha constante ajuda.

Frequentemente, o “codependente” manifesta consequências psicológicas, físicas e sociais advindas desses comportamentos e pensamentos que não são rapidamente percebidos pelo mesmo, tais como: redução da rede de amigos, sonhos não usuais, mudança no padrão de sono e apetite, sintomas ansiosos e depressivos, redução da habilidade e desempenho no trabalho, conflitos com normas e crenças pessoais, problemas financeiros, deterioração da autoestima, dentre outros.

O “codependente” deve procurar ajuda especializada com a finalidade de tratar-se, identificando os pensamentos disfuncionais que produzem comportamentos inadequados que prejudicam ambos os lados.

Como tenho reiteradamente escrito aqui no Vya Estelar, o ato de ajudar deve sempre ser estimulado, mas precisamos saber como fazer isso de forma adequada e saudável. Cada caso deve ser estudado intensivamente, avaliando as melhores estratégias de manejo.

Queira procurar ajuda especializada com um profissional qualificado na matéria.

Abaixo, forneço interessante referência para leitura:

Rotunda, R. J., West, L., & O'Farrell, T. J. (2004). Enabling behavior in a clinical sample of alcohol-dependent clients and their partners. J Subst Abuse Treat, 26(4), 269-276.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Você sente dificuldade de sair de um relacionamento abusivo?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.