DESTAQUES

Comunidade terapêutica para tratar dependência química pode fornecer 'tratamento espiritual'?

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

por Danilo Baltieri

"Meu marido encontra-se internado pela segunda vez em uma 'fazendinha': instituição que propõe um tratamento somente espiritual e sem nenhum acompanhamento médico para recuperação de drogas e álcool. Ele é usuário de cocaína e álcool. Gostaria de saber se esse tipo de tratamento tem bons resultados, ou que tipo de profissional devemos procurar?"

Resposta: Ao contrário de outras abordagens terapêuticas (convencionais e não convencionais) serem intensivamente avaliadas e pesquisadas para o tratamento das dependências químicas, os programas religiosamente orientados não têm sido adequadamente cobertos na literatura científica.

Claramente, nem todos os portadores de dependências químicas são satisfatoriamente atingidos com os programas religiosamente orientados; da mesma forma, como muitos dependentes de substâncias falham em obter sucesso através das técnicas tradicionais.

Dessa maneira, os manejos religiosamente orientados precisam receber maior atenção de pesquisadores, objetivando avaliar a efetividade dos métodos empregados de forma adequada e rigorosa.

É importante ressaltar que os manejos religiosamente orientados parecem ser mais efetivos entre aqueles indivíduos previamente bastante religiosos. As tradições religiosas lembram-nos, muitas vezes, que os indivíduos devem assumir sacrifícios, respeitar disciplinas e promover a exaltação espiritual e moral, com o objetivo de se atingir a dignidade, a liberdade e o "renascimento".

Dentre os vários sistemas de crenças dessas propostas de abordagem, destacamos:

a) Ideia de "renascimento". Essa ideia pode ser interessante para algumas pessoas, com a perspectiva de adquirir uma "vida limpa", "sem drogas";

b) Ideia da "conversão". Muitas vezes, essa idéia implica a necessidade de redirecionar os objetivos da vida, mudando completamente o foco. No entanto, existem críticas pertinentes contra algumas formas de manejo que pregam apenas o acompanhamento religioso.

Cito algumas:

a) Não identificação da necessidade de atendimento médico para determinados sintomas físicos e psíquicos;

b) Proposta de práticas punitivas como uma forma de "purificação". Certamente, a grande maioria dos programas não realiza formas de abordagem punitivas, mas existem relatos na literatura sobre essas práticas que devem ser peremptoriamente rejeitadas;

c) Não manutenção de estreito contato com a evolução do conhecimento científico.

Se o seu marido se adaptou ao programa de tratamento proposto e acredita que possa lhe trazer benefícios, isso já é um grande passo.

No entanto, como essa é a segunda internação, creio que também uma avaliação realizada por profissional especializado possa ser importante ingrediente na sua recuperação.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.