DESTAQUES

Você precisa de um coach ou de um psicoterapeuta?

Redação Vya Estelar 16/02/2018 COMPORTAMENTO
Você precisa de um coach ou de um psicoterapeuta?
Fonte: imagem Pixabay
Entenda a diferença que a novela Outro Lado do Paraíso não mostrou

Por Jussara Goyano

Mesmo quando a programação televisiva presta um "desserviço" à população, há oportunidade para informá-la. É o que vem acontecendo nas últimas semanas após certa polêmica instalada na mídia e nas redes sociais em função da história vivida pela personagem Laura (Bella Piero) de O Outro Lado do Paraíso, saga global das nove.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



Abusada quando criança pelo padrasto Vinícius (Flavio Tolezani), a moça tem uma relação péssima com ele e dificuldades de manter uma vida sexual com o marido. Sem lembrar-se daquilo que lhe causou tamanho trauma, Laura procura uma conhecida, a advogada Adriana (Julia Dalavia), que é coach, e esta lhe oferece ajuda por meio de sessões de hipnose. Laura se depara com uma enorme dor emocional, lembrando do abuso, e Adriana prossegue nas sessões.  

Ocorre que toda esta situação, ainda que fictícia, é um grande imbróglio que depõe contra profissionais de coaching, psicologia, hipnose e coloca em risco a saúde mental dos mais desavisados. Reforça a confusão que as pessoas fazem entre o trabalho do coach, do psicólogo, do psiquiatra e não resolve os tabus em torno das práticas psico e hipnoterapêuticas. Afinal, quem devemos procurar e para que finalidade? Eis uma boa oportunidade para explicar, ainda que de maneira resumida e simples.

Cabe esclarecer, de início, e por ser minha especialidade, o que faz um coach.

Tomando por base a novela, vale ressaltar que, sabendo se tratar de um caso de trauma o da potencial cliente Laura, a coach Adriana jamais poderia ter prosseguido em seu atendimento.

O coaching é um processo pragmático, que ajuda a despertar potenciais nos indivíduos por meio de metodologia específica. Embora possa produzir efeitos terapêuticos, jamais pode ser utilizado com essa finalidade. O coach deve ter formação adequada, embora não seja esta uma profissão regulamentada no Brasil, com exigência de cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC).

O processo de coaching leva o sujeito mentalmente saudável, frise-se, do ponto A (presente, condição atual) para o ponto B (objetivo mensurável/comportamento  a ser atingido/ desenvolvido, num futuro próximo) por meio de um plano de ação conduzido em uma parceria entre o coach e o coachee (cliente de coaching). Do passado deste último ficam no processo apenas os recursos pessoais e aprendizados que possam auxiliar na produção dos efeitos desejados. Não faz parte do trabalho remoer questões antigas.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



Ao acessar um trauma ou manifestar desordens emocionais de qualquer natureza, o cliente deve ser encaminhado à psicoterapia. Vale lembrar que coach não faz diagnóstico. E que psicoterapia não é prerrogativa apenas do psicólogo. Pode ser exercida por profissionais habilitados em reconhecidas técnicas psicoterapêuticas (observar a linha tênue entre estas e o exercício da psicologia nas entidades reguladoras), psiquiatras, mas nunca por um coach.

Mesmo que este tenha formação na área, é melhor que a use apenas para reconhecer quando é o caso de encaminhamento terapêutico. Em nome da ética, deve conduzir uma única metodologia junto ao cliente – a psicoterapia ou o coaching.

O psicoterapeuta também não pode intitular-se psicólogo sem ter passado pela universidade, em um curso de psicologia, sob risco de exercício ilegal de profissão regulamentada. Na opinião desta interlocutora que vos fala, psicólogos e psiquiatras devidamente formados são as pessoas mais habilitadas a fazer psicoterapia em casos de trauma como o abordado na novela, bem como em manifestações de transtornos de ansiedade, humor e personalidade.

Já a hipnose induz a estados alterados de consciência para acessar memórias e emoções profundas, por meio de relaxamento corporal, técnicas de respiração e sugestão. Sua prática é reivindicada por profissionais de saúde tais como psicólogos, psiquiatras, médicos de outra especialidade, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e dentistas (lembremos que a coach Adriana, na novela, não é uma profissional de saúde e, sim, advogada). Não há indicação específica para a prática, podendo ser esta coadjuvante ou protagonista de processos psicoterapêuticos.

Talvez o que mais tenha incomodado foi o fato de a cena em que Adriana oferece ajuda a Laura ter sido fruto de um grande merchandising de um conhecido instituto formador de coaches, cujo presidente é citado no diálogo das personagens, e cujo logo consta dos letreiros finais da novela. Se as impropriedades reveladas (coach tratando trauma e fazendo hipnose) foram ideias equivocadas do autor da trama, Walcyr Carrasco, ou táticas agressivas para vender cursos e serviços, idealizadas pelo referido instituto, não podemos afirmar. Mas você, leitora ou leitor já sabe quem procurar e em que ocasião, quando o assunto for desenvolvimento pessoal e saúde mental.

Para saber mais

Site do Conselho Federal de Psicologia

Link:
http://site.cfp.org.br/contato/psicoterapia/?utm_content=kuku.io&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=kuku.io

Fonte: Jussara Goyano é bacharel em Comunicação Social, empresária e coach. Possui formação em Medicina Comportamental pela Unifesp. Ministra sessões presenciais e online com foco na performance e no bem-estar dos clientes. Dá palestras e seminários. É colunista da revista Psique Ciência & Vida e editora da revista Make it Positive, do Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento (IPPC), na qual divulga pesquisas e reportagens acerca da evolução da Psicologia Positiva no Brasil e no mundo. E-mail: atendimento@jussaragoyano.com




TAGS :

    diferença, coach, psicólogo, psicoterapeuta, coaching, psicologia

Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.